A bicampeã mundial Beata Maksymow (56) faleceu

Beata Maksymow-Wendt, a pioneira judoca polonesa e primeira campeã mundial polonesa de judô, faleceu aos 56 anos. A triste notícia foi confirmada por seu antigo clube, KJ Koka Jastrzębie Zdrój.

Com 1,80 cm de altura e pesando mais de 120 kg, Beata foi carinhosamente apelidada de “Kruszyna” pelos seus colegas, uma referência lúdica à sua presença formidável no tatame. Sua carreira no judô foi marcada por conquistas notáveis ​​e um legado que abriu caminho para as futuras gerações de judocas poloneses.

A jornada olímpica de Maksymow-Wendt abrangeu três edições dos Jogos. Ela terminou em quinto lugar na categoria +72 kg nas Olimpíadas de Barcelona 1992 e repetiu o feito na categoria +78 kg nas Olimpíadas de Atlanta 1996. Sua terceira participação olímpica foi nos Jogos de Sydney 2000, onde foi eliminada em sua primeira disputa.

Suas vitórias no campeonato mundial foram marcos significativos em sua carreira. Ela conquistou seu primeiro título mundial em 1993, em Hamilton, no Canadá, competindo na categoria aberta. Ela então conquistou seu segundo ouro no campeonato mundial em 1999, em Birmingham, na categoria +72 kg. A destreza de Maksymow-Wendt foi ainda demonstrada por sua impressionante conquista de 13 medalhas no Campeonato Europeu, incluindo medalhas de ouro em 1991, 1996 e 1997.

Dominando o cenário nacional do judô na Polônia, ela foi 23 vezes campeã polonesa, permanecendo incomparável por mais de duas décadas. Nascida em Czeladź, Beata começou sua carreira no judô aos 15 anos no GKS Jastrzębie. Ao longo dos anos, ela também representou Błękitny Kielce, KS Koka Jastrzębie e AZS Wrocław.

Depois de se aposentar do judô competitivo em 2001, Maksymow-Wendt se dedicou a trabalhar como tutora em uma prisão. Nos últimos anos, ela enfrentou problemas de saúde, incluindo problemas de coluna sobre os quais falou publicamente.

Beata Maksymow-Wendt deixa um legado de excelência no judô, lembrada não só por suas conquistas, mas também por sua influência no esporte na Polônia. Sua morte marca o fim de uma era para o judô polonês. Depois de seus dois títulos mundiais, apenas cinco mulheres polonesas conseguiram ganhar uma medalha no Campeonato Mundial: Katarzyna Klys em 2014, Agata Ozdoba em 2017, Julia Kowalczyk em 2019, Beata Pacut em 2022 e recentemente a única medalhista de prata Angelika Szymańska.