Zepeda aniquila Cabrera em três rounds e quer disputar título mundial

ONTÁRIO, CA — William Zepeda derrotou Giovanni Cabrera no terceiro round de uma disputa acirrada de pênaltis exclusivamente mexicana no sábado na Toyota Arena em Ontário, Califórnia.

“Vamos em busca do título mundial”, disse Zepeda após sua vitória ser anunciada no evento em que o Kombat Press participou.

Zepeda, 28, está continuamente lutando contra os melhores oponentes de sua carreira de 31 lutas, derrotando Joseph Diaz, Maxi Hughes e agora Cabrera, entre outros, em um período de 20 meses.

Não demorará muito para que ele seja lançado em desafios ainda maiores contra um ou mais campeões mundiais da divisão, onde ele colocará seu estilo de boxe arrasador diante dos melhores de sua categoria de peso.

Esse estilo, no qual ele consegue dar quase 1.000 socos na maioria das lutas, é algo que seus promotores Oscar de la Hoya e Bernard Hopkins nos disseram que o diferencia, e que o fará, segundo eles, pelo menos competir, se não dominar, os maiores talentos da categoria até 135 libras.

No sábado, no sul da Califórnia, a Kombat Press viu essa capacidade de socos volumosos de perto — mas de Cabrera, assim como de Zepeda, já que o boxeador visitante de Chicago começou a luta forte e até forçou Zepeda a recuar com o que o árbitro considerou um empurrão, em vez de um soco.

Esta foi uma briga, com ambos os caras tentando dar golpes wonton de todos os ângulos, o tempo todo. Eles lutavam boxe de perto e trocavam golpes no corpo e uppercuts em uma guerra aparente para determinar quem tinha a melhor resistência.

No segundo round, Zepeda voltou ao seu padrão habitual, passando de 56 socos no primeiro para 95 no segundo, e depois 77 no terceiro, o que foi o suficiente para encerrar o show.

Desta vez, foi a atenção de Zepeda ao corpo que lhe rendeu dividendos, já que ele derrubou Cabrera no terceiro — levando o árbitro a intervir e acenar para que tudo acabasse.

A sequência final viu Zepeda levar um soco direto no queixo para que ele pudesse lançar seu próprio arsenal de golpes, incluindo um golpe forte no corpo antes de esquerdas e direitas no queixo.

Estava tudo acabado.

“Ele me acertou bem no fígado”, disse Cabrera. “Depois de alguns segundos, pensei que ia me levantar com certeza, então eram ‘dez’ e eu fiquei tipo, ‘Oh, cara’. Perdi a conta.”

“Eu lutei com alguns grandes oponentes”, disse Zepeda. “E sinto que sou um dos melhores da divisão. Vamos buscar a oportunidade de nos tornarmos campeões mundiais.”

Ele concluiu: “Eu fiz meu dever de casa e agora é hora de Oscar de la Hoya fazer o dever de casa, colocar o oponente na minha frente e me dizer que horas e onde é o baile.”